Páginas

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Sem mais delongas

Sem horário pra nada, sem qualquer compromisso, vinte e quatro horas sem absolutamente nada pra fazer. Vésperas de férias mil planos são feitos, mas nada acaba sendo feito. Se de dez planos foi cumprido um, isso já é um grande feito.
Mas essa férias, depois que cheguei "em casa" não queria fazer nada, meu resto de férias se resumiu a comer, dormir, e a um problema sério, mas que não reclamo, que me impedia de sair de casa. Quero dizer, impediria, mas sempre havia um pai ou uma tia (meus) que me arrancavam de casa a força se fosse preciso. Ta ai uma coisa curiosa, eles faziam assim, todos os dias um deles ficariam em casa, hoje a tia, amanhã meu pai, depois a tia novamente, e depois meu pai, e por assim vai, isso até hoje, porque as aulas logo vão começar. Grandes tia e pai.
Bom, mas esse final de férias o que me aconteceu foi Netflix.
Mais uma vez resolvi explorar o Netflix e, veja bem, cliquei no play de uma das várias series e não parei mais. São dez temporadas e estou na sétima. Provavelmente já estaria na última temporada, acabando a serie se a internet da casa não tivesse sofrido problemas técnicos e meu pai tivesse demorado alguns poucos dias para concertar.
Resultado, essa semana voltarei as aulas ainda naquela de "eu preciso terminar essa serie, pra ontem, porque eu preciso saber o que vai acontecer".
Novamente, veja bem, isso é como se uma pessoa estivesse sentada no sofá da sala vendo novela, coisa que faz todos os dias, e no último capitulo quando vai ter um grande final e tudo vai ser explicado, e provavelmente haverá casamentos, porque sempre tem casamentos, a luz acaba ou algum infeliz desliga a televisão. Pá! Aconteceu e você não sabe, e se quiser saber vai ter que ir procurar o final ou de raiva ficará para sempre sem saber, sem querer saber e com raiva de quem sabe.
Agora sim que eu vou disparar a ver todas as series e filmes disponíveis no Netflix.

:)